São Paulo fica distante de meta de redução de gases-estufa

Poluição é visível no ar de São Paulo. (Foto: Hernandes Oliveira)

Por Marcelo Teixeira, da Reuters

A maior cidade brasileira deve descumprir sua meta inicial de redução das emissões de gases do efeito estufa, após novos dados divulgados nesta quarta-feira (14) mostrarem um aumento desse tipo de poluição em São Paulo no período de 9 anos até 2011.

O novo inventário paulistano das emissões de gases que causam o aquecimento global indicam que elas cresceram 4,4 por cento de 2003 a 2011, atingindo 16,4 milhões de toneladas de dióxido de carbono equivalente (CO2e), principalmente devido à maior demanda energética.

Em 2009, o prefeito Gilberto Kassab sancionou uma lei climática que incluía uma ambiciosa meta de redução de 30 por cento nas emissões até 2012, em relação a 2003.

“É basicamente impossível agora cumprir essa meta”, disse Fernando Beltrame, especialista em emissões da consultoria paulistana Eccaplan.

A situação de São Paulo é típica das grandes áreas urbanas em economias emergentes avançadas.

Nos últimos anos, o rápido crescimento econômico e as políticas sociais mais inclusivas tiraram milhões de pessoas da pobreza na América Latina, mas isso resultou num aumento das emissões.

Beltrame disse que, embora as emissões paulistanas não tenham aumentado significativamente nesses nove anos, o governo municipal não tem políticas adequadas para a redução dos gases do efeito estufa.

“São Paulo precisa de um plano integrado de mobilidade, um sistema eficiente de manejo do lixo e incentivos para os biocombustíveis”, afirmou.

Segundo dados do inventário, realizado pela prefeitura e consultorias especializadas, com financiamento do Banco Mundial, 61 por cento do total de CO2e veio do setor de transportes, e 15,6 por cento foram gerados pelo lixo.

MEDIDAS

A megalópole, uma das cinco maiores do mundo, já tomou algumas medidas para combater as emissões ao estabelecer, por exemplo, parcerias com o setor privado para capturar e direcionar o metano dos aterros sanitários para geração de energia.

A prefeitura recebe por esses projetos créditos de carbono da ONU, os quais são vendidos em leilões.

São Paulo integra o C-40, grupo de cidades que busca políticas de combate à mudança climática. Desde 2009, os veículos leves licenciados na cidade precisam passar por inspeções de poluentes. Mas a cada dia, a cidade ganha cerca de mil novos carros.

Especialistas acreditam que a cidade precisará de programas mais agressivos para controlar as emissões se quiser interromper a tendência de alta.

Os dados municipais mostram que o consumo elétrico por domicílio saltou 33 por cento entre 2003 e 2009, já que as famílias passaram a usar mais eletrodomésticos. Nesse período, o volume per capita de emissões passou de 1,3 tonelada de CO2e/ano para 1,4 tonelada.

Isso ainda está bem aquém do volume registrado em cidades mais ricas, como Nova York, onde cada habitante emite cerca de 6 toneladas de CO2e por ano.

Os dados também mostram uma redução na quantidade de etanol usada na cidade nos últimos dois anos, em comparação à gasolina, o que piorou o perfil das emissões relacionadas à queima de combustíveis.

A conjunção de fatores como safras ruins de cana-de-açúcar nos últimos anos e aumentos dos custos de produção fizeram com que o etanol perdesse competitividade ante a gasolina, cujos preços tem sido mantidos estáveis por políticas do governo federal.

“A falta de incentivos para o uso de biocombustíveis significa que a enorme frota de carros flex em São Paulo passa a maior parte do ano rodando com gasolina”, disse o analista ambiental independente Sérgio Abranches, comentando os dados do inventário.