Rio terá grupo de prevenção e redução de mortes no trânsito

Pedestres são os mais vulneráveis. (Foto: Marcos Tristão / O Globo)

De acordo com o Ministério da Saúde, o município do Rio de Janeiro tem um percentual de pedestres envolvidos em acidentes de trânsito de 57% – índice significativamente superior à média nacional, de 27,6%. Este é um dos dados que estão fazendo importantes instituições públicas se unirem em prol da vida, no Rio, para transformar esta realidade. A EMBARQ Brasil é apoiadora da iniciativa.

Desde maio deste ano, uma equipe interinstitucional se reúne para discutir e planejar ações de combate às lesões e mortes que decorrem do trânsito na capital fluminense. O grande objetivo é unir esforços para mudar este panorama nos próximos anos, apoiados pela Década de Ação pela Segurança no Trânsito e pelo Projeto Vida no Trânsito (RS10).

A EMBARQ Brasil (produtora deste blog), com experiência internacional em medidas de segurança viária, é apoiadora da iniciativa, tendo organizado recentemente um treinamento com técnicos de sua rede e representantes da Secretaria Municipal de Habitação, no Rio de Janeiro. “O surgimento deste grupo interinstitucional mostra que o Rio está preocupado com a questão e quer mudar o panorama de violência no trânsito”, acredita Marta Obelheiro, coordenadora de Projetos de Saúde e Segurança Viária da EMBARQ Brasil. “Além disso, o surgimento do grupo evidencia o esforço dos diferentes órgãos envolvidos para ampliar as ações previstas no importante Projeto Vida no Trânsito, que está promovendo ações em todo o mundo para diminuir lesões e mortes”, pontua.

A equipe, que está em fase de formalização, é formada por representantes de: Corpo de Bombeiros Militar do Rio de Janeiro, Escola Nacional de Saúde Pública (Departamento de Endemias e CLAVES), Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia (COPPE/UFRJ), Secretaria Municipal de Transportes (SMTR-RJ), Companhia de Engenharia de Tráfego do Rio de Janeiro (CET-Rio), Secretaria Municipal de Saúde (SMS-RJ), Instituto Pereira Passos (IPP), Instituto de Segurança Pública (ISP), Coordenação Estadual da Lei Seca, Departamento Estadual de Trânsito (DETRAN) e Conselho Estadual de Trânsito (CETRAN-RJ). Além dessas, foram convidadas a integrar o grupo: a Secretaria Estadual de Saúde (SES-RJ) e o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA).

Sobre o Projeto Vida no Trânsito

O Vida no Trânsito é uma ação global criada com foco no planejamento e execução de projetos que visam a diminuição dos altos índices de lesões graves e mortes em acidentes de trânsito em vários países. Mundialmente conhecido como RS10, a ação tem como coordenadores a OMS – Organização Mundial de SaúdeOPAS – Organização Panamericana de SaúdeFundação Bloomberg Philanthopies e Johns Hopkins University (UJH).

No Brasil, as capitais beneficiadas pelo projeto são: Palmas (TO), Curitiba (PR), Campo Grande (MS), Belo Horizonte (MG) e Teresina (PI). Cada uma delas fica encarregada pelas medidas, visando a redução dos índices de acidentes e mortes no trânsito no período entre 2011 a 2020. A meta é diminuir em 10% a cada ano o índice de vítimas graves e mortes em acidentes de trânsito.

Para aumentar a extensão do projeto em nível nacional, o Ministério da Saúde, através da Portaria nº 3.023, de 21 de dezembro de 2011, garante o repasse financeiro para todas as capitais brasileiras, visando a ampliação e a sustentabilidade do Vida no Trânsito. http://www.vidanotransito.com/site/