Os ciclistas deveriam usar máscaras de poluição?

Pessoas que pedalam estão expostas à poluição nas metrópoles. (Foto: Letizia Airoldi)

Por Simon Robinson*

Uma das poucas diferenças que eu notei quando me mudei para São Paulo foi que não vi nenhum ciclista usando máscara de poluição para se proteger da fumaça do trânsito. Eu sempre usava uma quando pedalava em Londres, então, decidi fazer uma breve pesquisa antes de escrever este artigo.

Poluição do ar em São Paulo. (Foto: Simon Robinson)

Os ciclistas estão mais expostos ao risco de poluição dos motores a diesel. Há mais chance de as partículas desses motores serem inaladas até os pulmões do que de as partículas maiores reduzirem a quantidade de oxigênio que o sangue pode carregar e, assim, reduzir a função pulmonar. Um amigo me enviou a fotografia abaixo de dois filtros de uma máscara: um novo e um que já tinha sido utilizado. Como você pode ver, eles concentram muita sujeira.

Filtro usado mostra quantidade de poluição que ciclista poderia inalar.

Nem todos os ciclistas utilizam a máscara no Reino Unido, e perguntei a alguns amigos que pedalam o que eles pensam sobre o assunto. Eles apontaram uma série de motivos para não utilizá-las por acreditar que o ar de suas cidades não é poluído ou porque se sentem desconfortáveis. Ainda, alguns ciclistas disseram não acreditar na eficiência da máscara, então decidi ir atrás para tentar responder esta dúvida.

Dos ciclistas que usam as máscaras, muitos garantiram que a produzida pela Respro é a melhor. Sua tecnologia foi originalmente desenvolvida para uso militar, e suas máscaras são projetadas para filtrar dois tipos de poluição: i) gases e vapores e ii) partículas como poeira de estrada, emissões de diesel, etc.

Se você ainda não viu uma máscara de poluição de perto, ela conta com dois componentes principais: filtros e válvulas. O filtro precisa ser capaz de filtrar a poluição ao mesmo tempo que permite que a pessoa realize seu exercício físico sem dificuldade, por isso as válvulas agregadas podem aumentar a eficiência da máscara.

Máscara com filtro e válvulas.

Nem sempre podemos confiar em uma pesquisa feita por uma empresa que está usando esse estudo para vender seus produtos. Encontrei, então, um estudo científico que aponta que os melhores filtros não são aqueles projetados para ciclistas, mas sim os vendidos pela 3M para uso na indústria de construção. O estudo concluiu que esse tipo de máscara pode ajudar a reduzir os riscos dos efeitos da poluição sobre a pressão arterial e variabilidade da frequência cardíaca.

Então é isso. Para reduzir a poluição dos automóveis e a quantidade de tráfego aqui em São Paulo, e claro de muitas outras cidades, precisamos ter mais pessoas pedalando. Mas precisamos garantir a saúde bem como a segurança dos ciclistas e, para isso deve-se incentivar as pessoas a se protegerem da poluição causada pelos automóveis.

Agora gostaria de saber a opinião dos ciclistas brasileiros sobre isso. Eu jamais gostaria de falar para os outros o que eles devem fazer, mas sinto que seria interessante iniciar uma conversa sobre o assunto. Dê sua opinião!

* Ciclista, morador de São Paulo e editor do www.transitionconsciousness.org.

  • Pedro Elias

    Esses dias vi um ciclista usando um máscara cirurgica, na hora pensei sobre a poluição e passei esses dias refletindo sobre isso, mundo pequeno, né?
    As máscaras da 3M são as melhores, minha mãe restaura livros e costuma utilizar essas máscaras.
    Recomendo a todos que pedalam por centros urbanos muito poluidos que experimentem usar as máscaras, mesmo que seja só nos trechos/horarios mais movimentados, todo cuidado com a saúde é bem vindo 😀

  • Priscila

    Eu já tentei me proteger com uma bandana (de algodão), mas acabei suando com menos de meia hora de pedal. E, como aqui no RS é sempre frio, tive uma reação ao estilo “rinite alérgica” (principalmente coriza). Ou seja, a bandana ficou ensopada e era impossível respirar direito. Acabei respirando mais pela boca. Foi horrível. Talvez um equipamento adequado seja mais eficiente do que minha pobre bandana!

  • Luciano

    Aqui em SP houveram algumas pesquisas científicas que demonstraram que o ciclista fica menos exposto a poluição que os motoristas de carro. Estas pesquisas, na minha opinião, estão sendo utilizadas de forma errada, e implica que muitos ciclistas entendem que as máscaras não são necessárias. A exposição de ciclistas a poluição pode ser até menor caso o ciclista opte por vias mais calmas e de menor trafego. Mas isso não implica que a cidade não é poluída nesta vias calmas, e também não implica que veículos a diesel não passem por estas. Ou seja, a poluição está lá, a cidade e sp é poluída e eu opto por máscaras.

  • http://twitter.com/srerobinson Simon Robinson

    Obrigado por seus comentários interessantes, Abraços, Simon

  • http://profile.yahoo.com/MDHWKS3OFU6E2DOUJZSWUSLCOY mara

    Extremamente importante o uso da máscara por ciclistas e em todas as situações de risco de inalação tóxica ou infecciosa. Meu filho é ciclista e vive tendo sinusite. A máscara de filtro de gases e pós deveria ser de uso obrigatório em lojas de manutenção /conserto de bicicletas, pois utilizam produtos que são neurotóxicos e podem desenvolver transtornos mentais, de personalidade, e para saber os mais comuns, basta ler a lista de doenças profissionais do Ministério da Saúde.Gostaria de comprar logo máscaras para meu filho usar durante seus treinamentos e serviço, pois faz serviço de mecânica. Por favor aonde posso encontrá-las em Brasília? agradeço. Mara

  • http://twitter.com/edukblo Edu KBLO

    pedalo quase diariamente pra ia ao trabalho do centro pra zona sul do rio. a fumaça que sai das caminhonetes, onibus etc me assustam e estou querendo usar mascara a partir de já…

  • MTZ

    Interessante tópico, pedalo há poucos anos e quando via essas máscaras à venda nos sites estrangeiros, achava um exagero. Esse tópico me fez pensar. Abraços.

  • ArlindoPereira

    Jamais utilizaria esse tipo de acessório, acho bizarro. Por um motivo semelhante, não utilizo capacete no dia-a-dia: quem vê de fora, julga ser preciso andar desta forma para conseguir encarar o trânsito de bicicleta e se sente desestimulado a fazê-lo, o que no limite se torna menos seguro andar de bicicleta, ma vez que um dos fatores mais relevantes na segurança dos ciclistas é a quantidade deles nas ruas.

    Especificamente sobre máscaras, há pesquisas [1] que mostram que o ar respirado por motoristas em automóveis de passeio com ar condicionado é *pior* que o respirado por ciclistas, e não vejo motoristas utilizando máscaras para dirigir.

    Respeito quem decide utilizar esse tipo de acessório diariamente, mas tenho uma visão de que vários destes ciclistas o fazem para se diferenciarem dos ditos “bicicleteiros”. Mas esta já é outra discussão.

    1: http://www.copenhagenize.com/2008/03/cyclists-can-breathe-easy.html

    []s

  • fabio

    não se encontram máscaras deste modelo em SP. Se alguém souber, por favor avise.

    Abs

  • Rafael Fanti

    Já senti desconforto e queimação ao respirar o ar poluído em grandes avenidas, principalmente pela fumaça exalada de veículos a diesel, deveria haver fiscalização e controle do governo, mas como sabemos que aqui nada funciona direito, esta fiscalização é um mito… Pensando seriamente em usar mascaras…
    Mas no caso estas mascaras não dificultam a passagem do ar, e consequentemente a respiração?

  • Franpersonal

    Independente de pesquisas científicas, a poluição é um realidade. Pedalo a 15 anos e sinto uma grande diferença no ar quando estou pedalando no interior, numa cidade pequena sem industrias o ar é mais puro do que em uma cidade grande como São Paulo. Já pedalei em cidades pequenas e atualmente moro (3 anos) e pedalo em São Paulo. Aqui em São Paulo começaram a aparecer problemas respiratórios que nunca tive antes. Minha garganta e meu nariz ficam mais ressecados e ardem muito mais. Estou seriamente preocupado e pensando em adotar uma boa mascara.