Transporte brasileiro polui e não atende a maioria, afirma Fernando Henrique Cardoso

FHC conversou com o TCFB. (Foto: Mariana Gil / EMBARQ Brasil).

Durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, o ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, conversou com a equipe do TheCityFix Brasil. Em suas palavras, FHC condenou a atual situação do transporte urbano no País e disse acreditar em mudanças comportamentais e culturais da sociedade em relação ao trânsito.

“Basta você viver em São Paulo para você ver como a gente encara o transporte. O transporte, como está hoje, polui e não atende a maioria. Apesar do esforço – que é grande – do governo em fazer metrô, ainda é insuficiente. Como as nossas cidades não foram feitas para automóveis nesta quantidade, elas estão entupidas”, declara.

Foto: Mariana Gil / EMBARQ Brasil

Hoje membro do The Elders, organização não-governamental formada por figuras públicas que defendem os direitos humanos e a sustentabilidade, Fernando Henrique lembra que o trânsito está deixando consequências negativas em muitos locais do planeta pelos níveis de estresse e poluição que gera. “O tempo que as pessoas perdem de um ponto a outro é uma forma de desenvolvimento não-sustentável, porque está liquidando com o que há de mais precioso no mundo que é o ser humano”, afirma.

LeiaPesquisa aponta nível de insatisfação no trânsito das grandes cidades

Atualmente, a situação do transporte público brasileiro preocupa os especialistas da área. Seguindo exemplo de diversas cidades do mundo, recentemente, o Rio de Janeiro inaugurou o primeiro corredor de seu sistema BRT (Bus Rapid Transit) como alternativa de transporte sustentável de alta capacidade. O sistema pode minimizar os problemas de mobilidade em outas grandes capitais. “Eu não sei dizer qual foi o efeito do Transoeste, mas provavelmente tudo que se dispõe a levar mais gente e mais depressa de um ponto a outro, sem poluir, é bom”, finaliza FHC.