Transporte Urbano Sustentável Salva Vidas

Foto: Mariana Gil / EMBARQ Brasil

Com mediação do diretor da EMBARQHolger Dalkmann, o evento “Transporte Sustentável Salva Vidas” reuniu técnicos, pesquisadores e especialistas em segurança viária, na manhã desta quarta-feira (20), na sede do Rio Ônibus, no Rio de Janeiro. Organizado pela EMBARQ, Fetranspor e Associação Latino-Americana de Sistemas Integrados e BRT (SIBRT), o encontro aconteceu em paralelo às reuniões da Rio+20, com o intuito de trocar informações e discutir as melhores práticas de para diminuir o número de acidentes e mortes no trânsito.

Entre os palestrantes estavam Cláudia Baptista, Gerente de Informações de Tráfego da Diretoria de Desenvolvimento da CET-Rio; Luiz Augusto Galvão, Gerente de Desenvolvimento Sustentável e Saúde Ambiental da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS); Luis Antonio Lindau, diretor-presidente da EMBARQ Brasil; Guilherme Wilson, gerente de Operações de Mobilidade da Fetranspor; além de Luis Gutierrez, diretor estratégico de EMBARQ para América Latina e secretário geral da Associação Latino-Americana de Sistemas Integrados e BRT (SIBRT), e Tyrrell Duncan, diretor da divisão de Transporte e Comunicação do Banco de Desenvolvimento Asiático (ADB).

Holger Dalkmann, da EMBARQ. (Foto: Mariana Gil / EMBARQ Brasil)

“Precisamos fazer com que a segurança viária seja um assunto prioritário entre os tomadores de decisão e operadores”, lembrou Dalkmann, que apresentou o compromisso voluntário de promoção do transporte sustentável firmado pela EMBARQ com a ONU na Rio+20.

Os palestrantes mostraram em números os danos que a falta de preocupação com sinalizações e infraestrutura pode causar. Calcula-se que 1,3 milhão de pessoas morram e 50 milhões fiquem feridas em acidentes de trânsito a cada ano. “Começamos a entender que os acidentes não eram só um problema do transporte, mas também de saúde pública”, explica Dr. Luiz Augusto Galvão, Gerente de Desenvolvimento Sustentável e Saúde Ambiental da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), que participou da estruturação da Década de Ação pela Segurança no Trânsito, da ONU.

Dr. Galvão, da OPAS. (Foto: Mariana Gil / EMBARQ Brasil)

Ferramentas como o GEOGIT– apresentado por Cláudia Baptista e André Ormond, também da CET-Rio – ajudam a mapear informações sobre o tráfego e, assim, a orientar ações específicas. “O desafio era organizar os dados e reuni-los em um só lugar. A ferramenta nos permite isso. Vai ser importante, por exemplo, para quando quisermos comparar os níveis de acidentes nos trajetos BRT, antes e depois das implementações”, explica Cláudia. Segundo Luis Gutierrez, da SIBRT, os problemas de segurança no trânsito se repetem na maioria das cidades da América Latina e precisam de orientação técnica, que pode reduzir em até 40% o risco de acidentes em vias públicas.

Cláudia Baptista, da CET-Rio. (Foto: Mariana Gil / EMBARQ Brasil)

Ações como as auditorias de segurança viária são algumas das alternativas para minimizar os riscos. Lindau, diretor-presidente da EMBARQ Brasil, apresentou o trabalho feito pela EMBARQ, em conjunto com diversos países, para criar o manual Segurança Viária em Corredores de Ônibus. “É preciso lembrar que apenas corredores de ônibus não oferecem mais segurança, e sim corredores de ônibus bem implementados oferecem mais segurança”, explica.

Para que as auditorias saiam do papel, porém, é fundamental o apoio financeiro, que muitas vezes chega por meio dos bancos de desenvolvimento, como Tyrrell Duncan, do ADB, mostrou em sua palestra. “Ainda não acertamos em tudo, mas estamos tentando. Nós precisamos nos unir com especialistas e organizações como estas aqui presentes nesta sala para salvar vidas”, finaliza Duncan.

Tyrrell Duncan, do ADB. (Foto: Mariana Gil / EMBARQ Brasil)

Guilherme Wilson, da Fetranspor, lembrou ainda que as mortes em decorrência do trânsito não ocorrem apenas em acidentes, mas também por complicações de saúde ocasionadas pela poluição atmosférica. “Analisando os números, não há dúvidas que devemos priorizar o transporte coletivo. Além disso, há o compromisso de investir em combustíveis menos agressivos ao meio ambiente, reduzindo a carga de emissões”, explica.

Guilherme Wilson, da Fetranspor. (Foto: Mariana Gil / EMBARQ Brasil)

Apresentações disponíveis para download:

Moderador: Holger Dalkmann, diretor da EMBARQ