Jornalistas dos EUA conhecem BRT Transoeste no Rio

Sistema ainda opera somente fora dos horários de pico, entre 9h e 16h. (Foto: Mariana Gil / EMBARQ Brasil)

Com muita expectativa em conhecer um dos sistemas BRT (Bus Rapid Transit)mais novos do mundo, jornalistas de diversas partes estão voltados para o Brasil para entender como estão sendo implementados os quatro corredores “Trans” na cidade do Rio de Janeiro. Esta manhã (18), as repórteres Valerie Valcovici, daagência Reuters; Diana Kinch, correspondente do The Wall Street Journal, e Cynthia Castro, da Revista CNT Transporte Atual, visitaram o primeiro corredor em operação, o Transoeste.

As jornalistas foram acompanhadas pelos secretário e subsecretário municipais de Transportes, Alexandre Sansão e Carlos Maiolino, respectivamente; Holger Dalkmann e Clayton Lane, diretores mundiais da EMBARQLuis Antonio LindauRejane D. Fernandes, diretor-presidente e diretora de Relações Estratégicas e Desenvolvimento da EMBARQ Brasil e o diretor do Instituto de Recursos Mundiais (WRI)Michael Oko. A ação foi organizada pelo WRI e pela EMBARQ Brasil, juntamente com a Fetranspor (Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro) e a Secretaria de Transportes do Rio de Janeiro.

“O maior benefício dos sistemas BRT, ou qualquer sistema de transporte coletivo, é da população em acessibilidade, aumentando a qualidade de vida geral da cidade”, ressalta Holger Dalkmann. E foi justamente pensando em integrar a Zona Oeste com outros pontos da capital carioca que a Prefeitura desenvolveu o projeto do Transoeste.

Ainda em fase de implementação, o sistema está em operação das 9h às 16h por cerca de 40 km, de um total de 56 km, que liga a Barra da Tijuca à Santa Cruz. De acordo com Alexandre Castro, gerente de operações do Transoeste, calcula-se que o corredor irá beneficiar 220 mil pessoas todos os dias, que além do conforto terão redução pela metade no tempo atual de viagem. Para o secretário de Transportes, Alexandre Sansão, o BRT está sendo uma mudança de paradigma para a cidade: “O BRT é um novo conceito de transporte no Rio. Ele pode transportar o dobro de pessoas que o atual sistema comporta, além de ser mais sustentável, emitindo menos gases poluentes”, declara.

Jornalistas atentas. Lindau e secretário Sansão, ao fundo. (Foto: Mariana Gil / EMBARQ Brasil)

Os modernos ônibus articulados da frota são monitorados por uma equipe no Centro de Controle Operacional, dentro do Terminal Alvorada – futuro ponto de conexão entre as linhas Transoeste e Transcarioca. A partir da central, técnicos acompanham os desempenhos das linhas expressa e paradora, que contam com sistema adaptativo de prioridade semafórica, ou seja, há preferência para os veículos BRT nos cruzamentos. “De acordo com dados comprovados de engenharia de transportes, uma faixa de ônibus transporta 10 vezes mais pessoas do que uma faixa de carros. Por que motivo, então, não priorizar o sistema de transporte coletivo? O Rio de Janeiro, sem dúvida, avança em termos de mobilidade urbana com esta obra”, comenta Luis Antonio Lindau.

“O novo sistema vai atrair mais pessoas para o transporte público por oferecer mais conforto e rapidez. A cidade do Rio de Janeiro tem vocação para usar o transporte coletivo. Logo o carioca vai se apropriar do BRT”, acredita Sansão. O secretário ainda lembrou que a prioridade da prefeitura é integrar os sistemas de ônibus, desestimulando o uso do transporte particular por meio de medidas como o pedágio para carros. “Ao longo do corredor Transolímpica haverá pedágio para quem optar em usar o carro enquanto o BRT vai operar livremente”, explica.

Caminho livre para o BRT carioca. (Foto: Mariana Gil / EMBARQ Brasil)

Somando os quatro corredores – Transoeste, Transcarioca, Transolímpica e Transbrasil – serão 150 km de BRT, previstos para estarem todos prontos até 2016, formando um dos maiores sistemas do planeta e recebendo investimento total de R$ 5 bilhões, entre parcerias públicas e privadas. Saiba mais sobre os corredores cariocas clicando aqui.

EMBARQ Brasil e Rio, uma parceria pela sustentabilidade

A inauguração do Transoeste é resultado de um longo trabalho da Prefeitura do Rio de Janeiro. Desde a assinatura do Termo de Cooperação Técnica, em 2010, a EMBARQ Brasil é parceira da Prefeitura e trabalha para qualificar o transporte coletivo carioca. Conheça as principais ações desenvolvidas:

  • Simulador BRT: A avaliação do sistema de transporte foi decisiva para a escolha da cidade do Rio de Janeiro como sede das Olimpíadas de 2016 pelo Comitê Olímpico Internacional (02/10/09). SAIBA MAIS
  • Auditorias Segurança Viária: Com financiamento da Bloomberg Philanthropies, a EMBARQ Brasil prestou auxílio técnico à prefeitura do Rio por meio de auditorias de segurança viária no projeto do Transoeste, medida fundamental para reduzir o risco de acidentes no corredor e salvar vidas.SAIBA MAIS
  • Workshop de Marketing: Entre os dias 25 e 26 de maio de 2011, a EMBARQ Brasil reuniu cerca de 100 participantes vindos de 10 capitais brasileiras (Belo Horionte, Rio de Janeiro, São Paulo, Goiânia, Salvador, Florianópolis, Natal, Curitiba, Vitória e Porto Alegre) e também internacionais de EUA, Perú e Índia para ouvir e debater o marketing aplicado aos sistemas BRT, baseado em experiências de sucesso. SAIBA MAIS
  • Alinhamentos estratégicos: A EMBARQ Brasil promoveu dois encontros com a equipe responsável pela implantação do sistema BRT no Rio de Janeiro. O objetivo foi reunir técnicos, operadores e gerentes do projeto e auxiliar na identificação de oportunidades e dificuldades a serem enfrentadas pelas equipes. SAIBA MAIS
  • Experiência BRT – Missões de Imprensa e Técnica: Ao final do mês de abril, com o patrocínio da Fetranspor, Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro, a EMBARQ Brasil promoveu um audacioso projeto que levou jornalistas dos principais veículos de comunicação cariocas e técnicos da prefeitura para embarcar no projeto Experiência BRT – Missão de Imprensa e Técnica. SAIBA MAIS