Novo Manual de Segurança Viária pode salvar vidas em corredores de ônibus

Dados mostram que após a implementação de alguns sistemas BRT, como o Macrobús de Guadalajara, acidentes nos corredores diminuíram em 50%. (Foto: Dario Hidalgo / EMBARQ)

A cada ano, 1,2 milhão de pessoas morrem em acidentes de trânsito, segundo a Organização Mundial de Saúde, e as mortes no trânsito são projetadas para se tornar a quinta maior causa de óbito prematuro em todo o mundo até 2030, à frente de HIV/AIDS, violência, tuberculose, ou qualquer tipo de câncer. Uma forma de evitar muitas dessas mortes e feridos é melhorar a segurança de tráfego, especialmente nos corredores de ônibus das cidades. A EMBARQ, produtora do TheCityFix e centro de transporte sustentável do Instituto de Recursos Mundiais (WRI), lança o projeto “Segurança Viária em Corredores de Ônibus, diretrizes para integrar segurança viária ao planejamento, projeto e operação de sistemas BRT, corredores e faixas de ônibus”. Baseado em mais de dois anos de pesquisa, a publicação é parte do projeto Segurança Rodoviária em 10 Países (RS10), financiado pela Bloomberg Philantropies.

“Este guia é parte de um esforço mais amplo por parte da EMBARQ para ilustrar como projetos de transporte sustentável podem melhorar significativamente a segurança do trânsito, salvar vidas e melhorar a qualidade de vida das pessoas ao redor do mundo”, disse Holger Dalkmann, diretor mundial da EMBARQ.

As diretrizes são baseadas em resultados de um projeto de pesquisa de dois anos, liderado pela EMBARQ, que avaliou segurança, operações e acessibilidade em grandes corredores de ônibus e sistemas BRT (Bus Rapid Transit) de 18 cidades ao redor do mundo. As principais conclusões apontam:

  • Pedestres correspondem a maioria das fatalidades ocorridas em todos os corredores de ônibus;
  • Segurança em sistemas BRT e corredores de ônibus depende da concepção global da via e não apenas da infraestrutura dos ônibus;
  • Sistemas BRT com corredores centrais e estações fechadas são a opção mais segura em termos de design técnico;
  • Contrafluxo, quando ônibus circulam no sentido oposto do tráfego misto, é o mais perigoso tipo de configuração para um corredor de ônibus;
  • Os tipos mais comuns de colisões de veículos em sistemas BRT ocorrem quando carros fazer conversões proibidas à esquerda, atravessando corredores, e colidindo com ônibus que vêm em sentido contrário.

“As rotas de ônibus BRT geralmente estão localizados nas principais vias urbanas, que têm a maior concentração de acidentes de trânsito nas cidades”, disse Claudia Adriazola, diretora de Saúde e do programa de Segurança Viária da EMBARQ. “Um novo sistema BRT pode atrair um grande número de pedestres nessas áreas, por isso é crucial ajudar as cidades a compreender como maximizar a segurança para todos.”

O propósito do planejamento projeto e diretrizes de projeto é fornecer as agências de ônibus, jurisdições locais e organizações regionais e internacionais com um conjunto de projeto sugerido, planejamento e critérios operacionais para sistemas de ônibus, incluindo corredores de BRT. As diretrizes incluem recomendações para projeto das ruas, cruzamentos, estações, e acesso à estação, bem como transferências e terminais.

“Nossa pesquisa mostra que o projeto de um corredor de ônibus pode ter uma influência significativa e reduzir a frequência de acidentes nas vias”, disse Luis Antonio Lindau, diretor-presidente da EMBARQ Brasil (produtora deste blog), que também assinou a pesquisa.

“Os dados mostraram que após a implementação de alguns sistemas de BRT, como TransMilenio em Bogotá ou Macrobus em Guadalajara, acidentes e mortes nesses corredores caiu tanto quanto 50 por cento”, disse Dario Hidalgo, diretor de Pesquisa EMBARQ e Prática e um autor das orientações. “Nem todos os sistemas de ônibus tiveram um impacto positivo na segurança e, em alguns casos, ainda há considerável espaço para melhoria, razão pela qual EMBARQ desenvolveu estas diretrizes para melhorar a segurança do trânsito.”

A pesquisa incluiu sistemas de BRT ícones em lugares como Curitiba e Bogotá, Colômbia, México e Rio de Janeiro, bem como exemplos de Nova Deli e Ahmedabad, na Índia, e Brisbane, na Austrália.

Durante os próximos seis meses, especialistas serão convidados a fornecer feedback sobre o conteúdo, metodologia, viabilidade e utilidade das recomendações de segurança. A revisão será incorporada à versão final das orientações, com lançamento agendado para 2013.

CLIQUE AQUI e baixe a versão em PDF do Manual de Segurança Viária da EMBARQ.