‘Bicicleta me trouxe economia de 600 reais por mês e auto-confiança’


Entrevistada do TCFBrasil conta como a bicicleta ajudou a transformar sua vida. (Foto: Arquivo pessoal)

Sabemos que não é fácil deixar o conforto do carro para se aventurar com a bicicleta pelas ruas de São Paulo. Porém, a jornalista Luiza Jugdar tomou coragem, colocou o capacete e acabou descobrindo uma nova cidade e até uma nova Luiza – como ela conta de maneira sincera e envolvente no seu blog. A experiência de deixar o automóvel em casa e usar a bike para ir e vir pela cidade trouxe muitos benefícios para a vida da jornalista, que hoje economiza uma boa quantia por mês e se considera uma pessoa bem mais auto-confiante.

Como Luiza nos conta na entrevista abaixo, as transformações aconteceram de forma natural durante esse um ano que se tornou uma bike commuter da capital paulista. Hoje o bolso agradece, já que a jornalista deixou de gastar com gasolina, estacionamento, IPVA, multas e por aí afora. A economia chega aos 600 reais por mês, dinheiro que agora usa para outras coisas que gosta de fazer.

Além do alívio no bolso, Luiza garante que também ganhou tempo e qualidade de vida, pois sente satisfação antes, durante e depois da pedalada. Quando ia de carro para o trabalho, passava 1h20 no trânsito. Já com a magrela, o mesmo trajeto dura apena 20 minutos. Somando ida e volta, ela ganhou 2h do seu dia. No final de um mês são 40 horas, quase dois dias, que Luiza tem para realizar outras atividades mais produtivas e interessantes do que ficar parada dentro do carro… Já pensou?!

Assim fica mais fácil entender porque a jornalista se sente mais vibrante, saudável e até mais decidida, já que dividir a via com os carros exige destreza e posicionamento. Por todos os benefícios que conquistou com essa mudança de hábito, Luiza se tornou uma entusiasta da bicicleta e conta para o TheCityFix Brasil como foi esse processo e os medos que teve que encarar até descobrir um novo estilo de vida, bem mais interessante. Acompanhe na entrevista abaixo:

Quando decidiu trocar o carro pela bicicleta tinha ideia da economia de tempo e dinheiro que faria?

Eu tinha ideia. Mas, na prática, foi muito mais eficiente do que eu poderia supor. No final, não é só a economia para ir e voltar do trabalho, a bike acaba sendo o principal meio de transporte para qualquer lugar.

Você sempre morou perto do trabalho ou decidiu se mudar para facilitar o deslocamento diário?

Eu tive apenas um emprego que era ‘longe’ de casa. Quando trabalhei no Consulado Americano levava 40 minutos para e ir e 40 minutos para voltar. Isso porque entrava às 7h30 e saia às 16h30, quer dizer, completamente fora do rush. Quando passei a trabalhar na Faria Lima, no horário comercial usual [das 9h às 18h], depois de dois dias indo de carro decidi tentar a bike. Eu nunca aceitei empregos que fossem completamente fora de mão ou sem a opção de transporte público, apesar de sempre ter tido carro.

Muita gente pensa em abandonar o hábito do carro, mas tem medo de se arriscar nas ruas. Qual conselho você daria para alguém dar o primeiro passo, ou melhor, a primeira pedalada, assim como você?

Entendo o medo. Existe de fato uma série de fatores de risco. Mas não podemos ignorar todos os riscos de acidentes de carro, moto ou até mesmo à pé. E até mesmo a propensão aos assaltos e violências, infelizmente, corriqueiras. São Paulo não é uma cidade segura para ninguém. Acredito que o primeiro passo é ir pedalar no parque ou na ciclofaixa em um fim de semana. Assim a pessoa já vai se familiarizando com a bike. O segundo passo é o Bike Anjo, isto é, alguém que vai te ajudar a traçar a rota ideal e que poderá te acompanhar até que não haja mais o nível de insegurança inicial.

Entre os amigos também ciclistas em pique-nique no Parque Ibirapuera em São Paulo. (Foto: Arquivo pessoal)

E como foi a experiência do Bike Anjo?

Foi excelente! Não foram apenas os ensimentos práticos de como agir e se posicionar nas ruas. Foi também a oportunidade de conhecer outras pessoas, fazer amigos em um nicho diferente, do qual estava começando a fazer parte. Vejo a oportunidade de ter um Bike Anjo como algo muito preciso. Quantas vezes na vida adulta temos a oportunidade de encontrar pessoas que estão dispostas a nos ajudarem a alcançar nossos objetivos? Que têm o tempo e paciência para nos acompanharem passo-a-passo na nossa trajetória de desenvolvimento em uma nova atividade que pode, em vários momentos, ser bastante desafiadora? Isso é muito raro. Encontrar pessoas assim também. Tive a sorte de entrar para um grupo nada exclusivo e bastante aceitativo, o grupo das pessoas que pedalam em São Paulo.

Pensando em mobilidade, quais são as mudanças necessárias mais urgentes em São Paulo?

As reivindicações são muitas. Cumprimento das leis que exigem respeito ao ciclista e punem os que não as cumprem parece ser a mais emergencial. Porém, particularmente, acredito que a educação é a única solução permanente. Se for necessário punição e pagamento de multa, que o façam. Enquanto motoristas, pedestres e ciclistas não forem educados para compartilharem as ruas de maneira própria, mortes continuarão ocorrendo. Escolher o melhor modal para a locomoção diária já seria suficiente para melhorar muito o trânsito que existe hoje. Mas para que as mudanças ocorram é necessário que as pessoas vejam os benefícios. Não gosto de contar com as mudanças que dependam do governo ou da prefeitura. Prefiro investir minha fé nas mudanças que dependam das pessoas.

Você diz que depois da bicicleta você aprendeu a se posicionar tanto no trânsito quanto na vida. Tem mais alguma lição que essa mudança de hábito tenha te ensinado?

Fazer parte dos bike commuters em São Paulo muda a vida de qualquer um. Se trata de um grupo onde os participantes são muito diferentes em si. Por tanto, você já começa a se sentir bem apenas sendo você, sem ter que fazer um esforço negativo para agradar aos demais. Tampouco importa a sua condição financeira. A minha bike, por exemplo, custou aproximadamente R$100. Há mais de um ano vou com ela para todos os lugares. Para mim, ser parte de um grupo de pessoas diversificadas que não irão me excluir [ou a qualquer outra pessoa] por ‘excesso de autenticidade’, já pareceria sensacional! Mas, sem dúvida alguma, a principal mudança de comportamento foi em relação ao posicionamento. O mais legal foi que aconteceu naturalmente, quando eu me dei conta, já estava mais assertiva nas discussões de trabalho ou ao pedir um aumento para o meu chefe.

Algo que percebi, mas que é bastante subjetivo, foi em relação ao uso do instinto. Nossa vida urbana acomodada, e digo nossa porque a minha vida é bastante confortável, nos leva a muitas vezes deixar o nosso instinto de lado. Não estou falando daquele instinto sobrenatural, estou falando do instinto científico, aquele que em situações de risco nos enche de adrenalina e nos põe em ação para salvar a própria pele. Em diversas situações racionais o instinto pode prejudicar, por exemplo numa decisão financeira no mercado de ações. Apesar da descarga de adrenalina, natural para situações que exigem decisões rápidas, a decisão deve ser racional, baseada em fatores analíticos. Nosso cérebro pode ser bastante desregulado quanto a isso. Porém, em situações de risco eminente ou em que algo parece nitidamente errado, por alguma razão a maioria das pessoas parece ignorar o que trouxe o Homem até aqui, o instinto de sobrevivência.

Após passar por algumas situações bastante assustadoras no trânsito, aprendi que muitas vezes não precisamos, e nem temos tempo, para pensar e achar a melhor solução para um problema. Lembrei que ter este instinto animal embutido na nossa ‘superioridade racional humana’ é muito útil. Você não tem tempo para pensar em como agir quando um carro te fecha na Avenida Paulista. Aliás, muitas vezes, se formos pensar, escolheremos a opção menos eficiente. Porém, se você apenas age nos milésimos de segundo disponíveis, focando em manter a sua própria integridade física, parece funcionar bem. Não sou uma especialista no assunto, mas notei que a minha resposta instintiva `as situações de risco ficaram muito mais rápidas e eficientes, afinal, passei também a confiar em mim mesma muito mais.

***

Se você também tem uma história inspiradora para contar, seja com a sua bike ou sua cidade, entre em contato com a gente no email mcavalcanti@embarqbrasil.org.