Pedalar desenvolve músculos e capacidade respiratória

O World Bike Tour São Paulo mostrou na prática quais são os benefícios da bicicleta. (Foto: World Bike Tour SP/Divulgação)

Por Paulo Finatto Jr.

A capital paulista completou 458 anos no último dia 25 janeiro. Entre os principais eventos que marcaram a data, o World Bike Tour São Paulo levou cerca de oito mil pessoas para percorrer, de bicicleta, um itinerário de 10 km pelas principais ruas da cidade. O passeio, aberto ao público em geral, destacou a representatividade da bike como meio de transporte alternativo, sobretudo para quem busca benefícios à saúde ou quer distância do congestionamento típico da principal metrópole do país.

De acordo com o preparador físico José Rubens D’Elia, andar de bicicleta é um ótimo método para fortalecer músculos e articulações. Isso porque o ciclista consegue trabalhar, no mesmo exercício, diferentes regiões do corpo: quadríceps, posterior da coxa, panturrilha, abdominal e extensores da coluna. Os músculos do ombro, braço e antebraço também são desenvolvidos no ciclismo. Porém, para promover a saúde é preciso atenção. “O ideal é que, ao pedalar, a pessoa não ultrapasse a frequência cardíaca máxima. Faça a conta: 220 menos a sua idade, esse é o seu limite”, explica D’Elia.

Outros cuidados também são necessários para que a bicicleta não prejudique o bem-estar. D’Elia recomenda não pedalar em alta velocidade, tampouco em marchas mais pesadas por longos períodos. Isso pode sobrecarregar as articulações do joelho e causar lesões. Além disso, é importante manter sempre os braços relaxados e não travar os cotovelos. Essa técnica ajuda a absorver o impacto contra lombadas e eventuais buracos da rua. “Uma bicicleta mal ajustada ou um erro de postura ao pedalar pode causar sobrecarga e, consequentemente, dores na coluna. Portanto, preste sempre atenção à postura durante o exercício e à situação da bicicleta”, destaca D’Elia.

A bicicleta é uma alternativa dupla para quem se sente preso em cidades enormes como São Paulo: serve como exercício físico diário e como meio de transporte eficaz e sustentável. Porém, é importante lembrar que a magrela é um veículo e, por conta disso, é preciso se enquadrar a regras e obedecer a todos os sinais de trânsito. Andar na ciclovia, por exemplo, é obrigatório. Quando não existir, deve-se andar pelo acostamento e no mesmo sentido de circulação regulamentada para a via. Por fim, atenção também para o uso do capacete e de todos os itens de segurança obrigatórios: buzina, retrovisor do lado esquerdo e sinalização noturna nas partes dianteira, lateral, traseira e nos pedais.

Fonte: G1

Foto: World Bike Tour SP/Divulgação