As boas ideias de mobilidade urbana que vêm de Montreal

Cidade canadense tem cerca de 3,6 milhões de habitantes em sua região metropolitana. (Foto: Ares Tavolazzi)

Por Paulo Finatto Jr.

Um dos últimos eventos realizados no Brasil em 2011, o seminário Mobilidade Urbana: Intercâmbio Brasil-Canadá, ocorreu em três cidades simultaneamente: São Paulo, Recife e Porto Alegre. Na capital gaúcha, gestores e empresários trocaram experiências capazes de facilitar a mobilidade urbana, sobretudo a partir de sistemas de transporte públicos eficientes. O evento foi promovido pelo Consulado Geral do Canadá em São Paulo.

Com o intuito de compartilhar conhecimento técnico e ideias que incentivam o uso do transporte público, o evento ajudou os dois países a identificar oportunidades de parcerias entre empresas, tanto no Brasil como no Canadá. O executivo Joël Gauthier, da Agência Metropolitana de Transportes de Montreal, também apresentou para o público gaúcho os avanços proporcionados pela integração de um sistema multimodal de transportes.

Na oportunidade, Gauthier mostrou que toda a rede de transporte canadense foi desenvolvida para aproximar a capital Ottawa das outras grandes cidades do país. Com cerca de dois milhões de habitantes, Montreal é um dos principais representantes do interior e um reconhecido polo industrial, comercial e cultural de toda a América do Norte. “Assim como toda cidade grande, hoje temos grandes congestionamentos. O transporte público se torna, por conta disso, importantíssimo para nós”, destacou o executivo.

Para facilitar o deslocamento entre Montreal e Vancouver – cidades importantes, mas que ficam em lados opostos do mapa –, os gestores canadenses estão melhorando e ampliando o sistema de transporte coletivo, assim como estão desenvolvendo iniciativas para conquistar novos usuários. “O fato de Montreal ser uma ilha dificulta um pouco os nossos trabalhos. Mesmo assim, estamos criando serviços complementares cada vez mais eficientes para a população”, acrescentou Gauthier.

Entre as principais ideias que podem ser replicadas no Brasil, está os cerca de 60 estacionamentos gratuitos para bicicletas, construídos próximos às estações de BRT e de outros meios. A ideia é facilitar a vida do usuário e incentivar o abandono dos carros. A rapidez do transporte público também é um dos pilares da campanha. “Estamos desenvolvendo uma linha de transporte que parte do leste indo para o centro, que dura 62 minutos. De carro, somando os congestionamentos, o mesmo percurso dura duas horas”, exemplificou Gauthier.