BRT na era do Marketing 3.0

Roberto Sganzerla durante workshop Marketing BRT em Belo Horizonte (Foto: Mariana Gil / EMBARQ Brasil)

“As pessoas hoje não querem apenas ter coisas, elas querem viver experiências a partir de valores humanos”. A fala é do especialista em marketing de transportes, Roberto Sganzerla, durante a palestra “Marketing BRT: como construir uma marca diferenciada”, que encerrou o primeiro dia do Workshop Marketing BRT: Como atrair e cativar usuários, na terça-feira, em Belo Horizonte. O evento é promovido pela BHTRANS, Prefeitura de Belo Horizonte e EMBARQ Brasil (produtora deste blog) e acontece até hoje, terça-feira (1º/11).

O consultor mostrou que na era em que vivemos, a relação entre as pessoas e o mundo mudou e com ela o modo de fazer marketing. Por isso, as equipes de comunicação precisam se adaptar e construir estratégias que satisfaçam o anseio coletivo de bem-estar sócio-ambiental. “O sistema de transporte do futuro é aquele que serve, da melhor maneira possível, as necessidades da cidade e do planeta. Por isso nunca houve uma era tão propícia para o transporte coletivo como agora. Se desperdiçarmos essa era eu não sei quando será a próxima”, explica.

Sganzerla apresentou o case de construção da marca Transurbano, o transporte público da Guatemala, e os caminhos que sua equipe trilhou para humanizar o sistema guatemalteco. Fazer cada um se sentir parte de um todo era o principal objetivo da equipe de marketing, que criou uma marca a partir de valores como união e reciprocidade.

O resultado foi uma identidade visualmente bonita e ao mesmo tempo carregada de significados positivos, o que acabou agregando ainda mais as pessoas ao serviço de transporte público. “As diferentes cores do logo indicam que este é um transporte para todos, e o formato de guarda-chuva indica que todos estão protegidos”, pontuou o especialista.

Também foram realizadas mudanças no cartão do transporte público integrado, o Siga – Sistema Integrado Guatemalteco de Autobuses. Para humanizar o sistema em um país desconfiado com seus serviços públicos, imagens de pessoas passaram a ilustrar o verso dos cartões, que agora são personalizados para os diferentes grupos, como idosos, crianças, estudantes, etc. “Queríamos que as pessoas olhassem para o cartão e pensassem: ‘isto não é do governo’. Porque o cartão é das pessoas. É um serviço para elas”, explica Sganzerla.

Ouvir para servir melhor

Justamente por ser um serviço único, o especialista acredita que não existe um padrão para se planejar o marketing dos sistemas de transporte, e cada cidade deve entender as necessidades de seus moradores, ouvindo-os.

Sganzerla lembra que um grande canal para escutar os anseios das pessoas e entender suas necessidades são as redes sociais, como Twitter e Facebook. “As pessoas falam das marcas, por isso é preciso ouvi-las e ter uma estratégia para se fazer presente de maneira eficaz. Caso contrário é melhor nem entrar [nas redes sociais]”, diz ele.

Escutando e conversando ativamente com as pessoas fica mais fácil compreender as mudanças que precisam ser feitas para prestar serviços cada vez melhores e mais humanos. Afinal, “as companhias de sucesso serão as empresas que estiverem preparadas para servir”, finaliza Sganzerla.

Saiba mais

* Roberto Sganzerla é especialista em marketing de transportes, Pós-Graduado em Marketing, com MBA em Gestão de Negócios e Liderança e Mestrado em Liderança. Especialista em Marketing em Transportes com 12 anos de atuação no setor de Transporte de Passageiros por Ônibus, atuando como Assessor e Consultor das principais Entidades e Empresas de Transportes no Brasil e Latino América.

* Acompanhe tudo sobre o workshop Marketing BRT: Como atrair e cativar usuários no site da EMBARQ Brasil ou pelo nosso Twitter @EMBARQBrasil.