“Evaporação do tráfego”: fechar ruas pode ser solução para o congestionamento

Times Square depois dos bloqueios em suas principais avenidas

O número de carros não para de aumentar. Só no Brasil, num período de oito anos, a frota de veículos cresceu 240% nas principais cidades. A consequência disso já é bem conhecida: poluição, filas e congestionamentos que fazem seu carro ter velocidade média parecida com a de uma galinha! Mas o que fazer para solucionar este problema?

Construir mais ruas parece a opção mais óbvia, mas os custos financeiros, sociais e ambientais são grandes e os resultados são imediatistas. Muitas cidades optaram por esse caminho e notaram que logo o problema retorna, já que isso pode motivar pessoas que não tinham carro a compra-lo e usa-lo, pois existirão mais opções de rotas. Então, que tal tentar o caminho inverso e… fechar as ruas?!

É justamente isso que muitas cidades-modelo do mundo todo estão fazendo. Elas estão literalmente bloqueando a passagem de carros em vias centrais e transformando-as em espaços de convívio para as pessoas! O fenômeno é conhecido como “evaporação do tráfego”, já que a lógica é pensar que quanto menos ruas e estacionamentos disponíveis, menos as pessoas vão utilizar seus carros, que aos poucos irão ‘evaporar’ da cidade.

O fenômeno vem ganhando força desde 2004, quando foi reconhecido oficialmente pela Comissão Europeia, em seu relatório “Reclaiming city streets for people — Chaos or quality of life?” (Recuperando ruas da cidade para as pessoas – Caos ou qualidade de vida?). O estudo traz alguns exemplos de sucesso em cidades como Kajaani (Finlândia), Cambridge, Oxford, Londres (Inglaterra), Nuremberg (Alemanha) e Strasbourg (França), que encararam de frente o problema do tráfego em seus centros, investindo em consultorias e soluções alinhadas ao conceito de “evaporação do tráfego”, ao reduzir o espaço para os carros e valorizar ambientes de convívio social.

As ruas escolhidas são bloqueadas aos veículos de forma permanente e reformuladas pensando-se no bem estar da população. Os novos espaços são atrativos e bem planejados, com árvores, bancos e segurança para que as pessoas se sintam confortáveis e desfrutem. Com dificuldade para usar o carro e tendo acesso a pé a suas necessidades e lazer, as pessoas caminham e convivem mais, enquanto os veículos vão “desaparecendo”.

Veja o "antes" e o "depois", em Nova York

Os especialistas admitem que num primeiro momento há uma certa confusão até que os motoristas entendam as mudanças, mas estudos comprovam que fechando ruas há, sim, diminuição do tráfego. Um exemplo é a pesquisa realizada pela University College of London, que analisou 62 casos de bloqueio de ruas e concluiu que houve uma média de redução de 21,9% do tráfego na zona em torno da intervenção. Em apenas 11 dos casos houve um aumento de tráfego. Por tudo isso, comprova-se a validade do fenômeno de “evaporação do tráfego” que, a longo prazo, vem ajudando a reduzir os impactos que o trânsito em geral causa nas grandes cidades como mortes, acidentes, poluição do ar, consumo de energia, perda do convívio social,etc.

No relatório da Comissão Europeia, outro exemplo marcante é a cidade de Copenhagen (Dinamarca), que desde a década de 1960 adota medidas corajosas de “evaporação do tráfego”. A capital dinamarquesa optou em colocar altos preços nos estacionamentos públicos e fechar vias no centro histórico da cidade, deixando o espaço convidativo às pessoas. Hoje, 80% das viagens realizadas até o centro de Copenhagen são feitas a pé e 14% em bicicletas.

Para auxiliar outras metrópoles a se empenharem assim, o estudo da União Europeia também apresenta um guia com os passos fundamentais para uma cidade começar a transformação de seus congestionamentos a partir do conceito de “evaporação do tráfego”. Desde a fase de análise técnica e implementação, até a busca por parceiros e estratégias de marketing e comunicação voltados para o público, que afinal precisa ser bem orientado de todas as mudanças.

 

Streetfilms apresenta os resultados do fenômeno em NY

O vídeo abaixo, do Streetfilms, mostra as transformações em grandes avenidas da cidade de Nova York, que hoje é mais um exemplo de sucesso do fenômeno de “evaporação do tráfego”. Vendo estes resultados percebemos que a transformação pode ser mais rápida e fácil do que imaginamos, basta haver políticos com vontade de melhorar a qualidade de vida de seus cidadãos.