Os dez princípios básicos para uma mobilidade sustentável de sucesso

Proposta do programa Our Cities Ourselves para Buenos Aires: Transformar a orla num espaço para os pedestres, com ciclovias, conexão com o BRT e ponte para bicicletas e pedestres. Foto: ITDP/Divulgação

Mobilidade sustentável. Muitas pessoas têm dificuldade de entender bem esse conceito, mas o programa Our Cities Ourselves do ITDP (Institute for Transportation and Development Policy) está dando uma mãozinha para a população tentar compreender melhor o tema. O diretor-executivo do instituto, Walter Hook, em parceria com o urbanista dinamarquês Jan Gehl, criou um livreto com os dez princípios básicos para transformar qualquer cidade em um modelo de mobilidade sustentável, em uma linguagem bem simples.

Segundo dados do Fórum Internacional do Transporte, a expectativa é de que, em 2030, 60% da população mundial, cerca de 5 bilhões de pessoas, estejam vivendo em áreas urbanas e a maioria delas em países em desenvolvimento como Brasil e África do Sul. A publicação, que por enquanto está disponível somente em inglês, faz parte do projeto Our Cities Ourselves que tem o objetivo de estimular o debate de políticas públicas que minimizem os efeitos do crescimento populacional. ”As cidades do século XXI devem ser cidades agradáveis, seguras, sustentáveis e saudáveis. Todas essas qualidades podem ser alcançadas se abraçarmos esses dez princípios, que significam colocar as pessoas em primeiro lugar”, acredita Gehl.

Proposta para a Cidade do México: Revitalizar as ruas ao criar espaços democráticos para pedestres, ciclistas e a linha de ônibus BRT. Foto: ITDP/Divulgação

Confira os dez princípios para a melhor mobilidade urbana listados pelos autores:

  1. Andar a pé: Todos somos pedestres, por isso é essencial ter um ambiente de trânsito a pé de qualidade;
  2. Transportes não poluentes: Criar um ambiente seguro e confortável para bicicletas e outros veículos não-motorizados circularem;
  3. Mobilidade coletiva: Oferecer transporte coletivo de qualidade e de preço acessível a todos;
  4. Restrição ao acesso de veículos: Em lugares de grande trânsito de pedestres e muitas construções, o acesso de veículos e coletivos deve ser reduzido;
  5. Serviços de entrega sustentável: As entregas de mercadorias devem ser realizadas da maneira mais limpa e segura possível;
  6. Integração: É importante colocar as pessoas, as atividades e os espaços da cidade em integração;
  7. Preencher espaços: Construir opções de serviços em terrenos inutilizados para atrair pessoas e facilitar a vida da comunidade que vive em cada bairro, visando o menor deslocamento;
  8. Preservação: Preservar e fortalecer a cultura, a natureza, a história e a população local;
  9. Conexão de bairros: Tornar vias e calçadas mais agradáveis, rápidas e interessantes entre os quarteirões, possibilitando o trânsito a pé ou em bicicletas;
  10. Pensando no futuro: Deve-se investir em projetos a longo prazo. Cidades sustentáveis são pontes para as próximas gerações, já que são maleáveis e construídas a partir de materiais duráveis de alta qualidade.

 

A publicação ainda traz exemplos reais de projetos sustentáveis em cidades que já estão se preocupando com a qualidade do ar e com o excesso de emissão de gases poluentes, como Nova York, Copenhagen e Joanesburgo.

Se você se interessou pelo tema, pode fazer o download do livreto na íntegra aqui ou pedir uma cópia impressa de edição limitada para mobility@itdp.org .

 

Fonte: ITDP